Conheça o Livro Santa Teresa: mística e humanização de Lúcia Pedrosa-Pádua

Clique aqui para mais informações

Papas e santos

Dia 27 de abril será lembrado como o dia em que dois Papas do século XX foram canonizados, João XXIII e João Paulo II. E os outros dois estavam presentes, o atual pontífice Francisco, que presidiu a cerimônia e declarou a santidade de ambos e o Papa Emérito Bento XVI.

A canonização contou com a  presença de 24 chefes de Estado, incluindo o Presidente da República Italiana, Giorgio Napolitano, os Reis de Espanha, o presidente Correa, do Equador, e 92 delegações oficiais.  Também presentes, quase um milhão de peregrinos que transbordaram Praça de São Pedro e a Via della Conciliazione. Só isso já dá a dimensão do impacto destes dois líderes da Igreja para grande parte da segunda metade do século XX. Milhares de pessoas esperaram por trás de cercas que foram colocadas para o evento. Muitos estavam lá desde a véspera e outros foram chegando. Com expectativa serena e alegre, entre conversas e silêncio, orações e cânticos alternados, a multidão se estendia para além da Via della Conciliazione.

Campanha da Fraternidade

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou dia 5 de março a Campanha da Fraternidade de 2014, cujo tema é Fraternidade e Tráfico Humano e o lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou”.

O papa Francisco enviou uma mensagem na qual afirma que “não é possível ficar impassível, sabendo que seres humanos são tratados como mercadoria”. O papa lembrou que crianças são traficadas para a remoção de órgãos, mulheres submetidas à exploração sexual e trabalhadores mantidos em condição de escravidão. Estas são algumas das situações de tráfico de pessoas que a campanha vai abordar.

Durante a solenidade de lançamento, o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, disse que o crime viola a dignidade das pessoas submetidas e que a prática é fruto da sociedade em que vivemos. “Queremos com a campanha identificar essa realidade e, junto com o Estado, realizar este trabalho para que as pessoas deixem de ser exploradas”, exortou. “O tráfico de pessoas é fruto da cultura em que vivemos, atualmente quase nos habituamos ao sofrimento do outro e é preciso se compadecer pelas pessoas traficadas”, disse.

A solenidade contou ainda com a presença do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que elogiou a iniciativa e classificou o tráfico de pessoas como uma prática subterrânea, devido à dificuldade de verificar sua ocorrência. “É inaceitável que pessoas sejam tratadas como escravas”, disse Cardozo para quem o crime tem que ser combatido de forma conjunta com a sociedade. “Temos esta oportunidade de junção de forças com a sociedade, através da Campanha da Fraternidade e da formação de um comitê conjunto para aprimorar as políticas de Estado, receber sugestões e ao mesmo tempo enraizar atuações na sociedade”, complementou.

Saiba um pouco mais desse assunto assistindo ao vídeo “Tráfico de Pessoas, uma lenda urbana real”.

Oração oficial da CF 2014
Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo
e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados.
Fazei que experimentem a libertação da cruz
e a ressurreição de Jesus.
Nós vos pedimos pelos que sofrem
o flagelo do tráfico humano.
Convertei-nos pela força do vosso Espírito,
e tornai-nos sensíveis às dores destes nossos irmãos.
Comprometidos na superação deste mal,
vivamos como vossos filhos e filhas,
na liberdade e na paz.
Por Cristo nosso Senhor.
Amém!

Com fonte Agência Brasil

Morre um dos maiores teólogos do Brasil: J.B. Libânio

Vítima de um infarto, o padre jesuíta João Batista Libânio faleceu na manhã do dia 30 de janeiro de 2014, em Curitiba. Libânio era professor na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia e vigário da paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Vespasiano.

Escreveu cerca de 125 livros, 36 de autoria própria e os demais em colaboração com outros autores, alguns editados em outras línguas. Possui mais de 40 artigos publicados em periódicos especializados, e inúmeros artigos em jornais e revistas.

Sua página pessoal na internet é www.jblibanio.com.br

A revista IHU On-Line, nº 394, sob o título “J. B. Libânio. A trajetória de um teólogo brasileiro. Testemunhos“, celebrou os seus 80 anos de vida. Para acessar a revista, clique aqui.

Dom Helder

Dia 07 de fevereiro, comemora-se o aniversário de Dom Hélder, grande defensor dos direitos humanos durante a Ditadura Militar e um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Foi indicado quatro vezes para o Prêmio Nobel da Paz e sistematicamente boicotado pelo governo da ditadura. Morreu aos 90 anos em Recife no dia 27 de Agosto de 1999.

Para honrar a memória, trazemos aqui o filme O Santo Rebelde, que narra um pouco de sua trajetória. Prepara a pipoca… :)

 

Leigos e Sínodo da Família

O Papa Francisco convocou um sínodo para 2014 com o intuito de refletir sobre a Família e sua atual diversidade e complexidade. Neste sentido, enviou um documento preparatório para Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, que será realizada de 5 a 19 de outubro. O Documento contém um questionário sobre questões concernentes a vários aspectos da vida familiar.

Conheça o documento completo aqui, e participe respondendo!

É muito importante que os leigos e leigas da Igreja se manifestem, somos maioria na Igreja e não podemos nos omitir diante de tão importantes questões que estão sendo abordadas pelo documento preparatório, como a segunda união e a união homoafetiva.

O Primeiro Natal – A História do Natal Contada pelas Crianças

Vídeo lindo em que crianças encenam a História do Natal. Para você curtir e se emocionar ;)

O Advento e seu significado

O Advento é um dos tempos do Ano Litúrgico e pertence ao ciclo do Natal. A liturgia do Advento caracteriza-se como período de preparação, como pode-se deduzir da própria palavra advento que origina-se do verbo latino advenire, que quer dizer chegar. Advento é tempo de espera d’Aquele que há de vir. Pelo Advento nos preparamos para celebrar o Senhor que veio, que vem e que virá; sua liturgia conduz a celebrar as duas vindas de Cristo: Natal e Parusia. Na primeira, celebra-se a manifestação de Deus experimentada há mais de dois mil anos com o nascimento de Jesus, e na segunda, a sua desejada manifestação no final dos tempos, quando Cristo vier em sua glória.

O tempo do Advento formou-se progressivamente a partir do século IV e já era celebrado na Gália e na Espanha. Em Roma, onde surgiu a festa do Natal, passou a ser celebrado somente a partir do século VI, quando a Igreja Romana vislumbrou na festa do Natal o início do mistério pascal e era natural que se preparasse para ela como se preparava para a Páscoa. Nesse período, o tempo do Advento consistia em seis semanas que antecediam a grande festa do Natal. Foi somente com São Gregório Magno (590-604) que esse tempo foi reduzido para quatro domingos, tal como hoje celebramos.

Um dos muitos símbolos do Natal é a coroa do Advento que, por meio de seu formato circular e de suas cores, silenciosamente expressa a esperança e convida à alegre vigilância. A coroa teve sua origem no século XIX, na Alemanha, nas regiões evangélicas, situadas ao norte do país. Nós, católicos, adotamos o costume da coroa do Advento no início do século XX. Na confecção da coroa eram usados ramos de pinheiro e cipreste, únicas árvores cujos ramos não perdem suas folhas no outono e estão sempre verdes, mesmo no inverno. Os ramos verdes são sinais da vida que teimosamente resiste; são sinais da esperança. Em algumas comunidades, os fiéis envolvem a coroa com uma fita vermelha que lembra o amor de Deus que nos envolve e nos foi manifestado pelo nascimento de Jesus. Até a figura geométrica da coroa, o círculo, tem um bonito simbolismo. Sendo uma figura sem começo e fim, representa a perfeição, a harmonia, a eternidade.

Na coroa, também são colocadas quatro velas referentes a cada domingo que antecede o Natal. A luz vai aumentando à medida em que se aproxima o Natal, festa da luz que é Cristo, quando a luz da salvação brilha para toda humanidade. Quanto às cores das quatro velas, quase em todas as partes do mundo é usada a cor vermelha. No Brasil, até pouco tempo atrás, costumava-se usar velas nas cores roxa ou lilás, e uma vela cor de rosa referente ao terceiro domingo do Advento, quando celebra-se o Domingo de Gaudete (Domingo da Alegria), cuja cor litúrgica é rosa. Porém, atualmente, tem-se propagado o costume de velas coloridas, cada uma de uma cor, visto que nosso país é marcado pelas culturas indígena e afro, onde o colorido lembra festa, dança e alegria.

Pe. Agnaldo Rogério dos Santos
Reitor dos Seminários Filosófico e Teológico da Diocese de Piracicaba

llllll

Cristo Rei, Dia Nacional dos Cristãos Leigos e Leigas!

Em 1925, o então Papa Pio XI,  num momento difícil da história da Humanidade, instituiu a Festa de Cristo Rei, para revalorizar o conteúdo da realeza de Cristo que é Rei para criar um povo real, livre de qualquer servidão. Estabeleceu  o último domingo de outubro de cada ano como o Dia de Cristo Rei (Encíclica “Quas Primas” – 11/12/1925 ).

Em 1969, no Moto Proprio “Mysterii  Paschalis”, Paulo VI aprovou o “Novo Calendário Litúrgico Romano”, que entrou em vigor em 1970. A Celebração de Cristo Rei passou a ser a “Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo” e foi transferida para o último domingo do Ano Litúrgico, como conclusão do mesmo, com ênfase no caráter cósmico e escatológico : “O Cristo que virá no fim dos tempos e seu Reino não terá fim”.

Durante muitos anos, a Ação Católica promoveu, neste dia, a festa dos leigos, com promoções, conferências, celebrações, renovação das promessas batismais, confraternizações e outras atividades. Seguindo esta tradição, em sintonia com o espírito da solenidade, O Conselho Nacional do Laicato do Brasil-CNLB, desde 1991, propõe a Celebração, nesta data, do DIA DOS CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS.

“Nasceu a Igreja com a missão de expandir o Reino de Cristo por sobre a terra …” (Vat II, AA  2). “Para isto existe a Igreja: para o Reino de Deus, que o Cristo glorificado, na força do Espírito, continua a realizar na história humana…”(CNBB 62, 76). Os cristãos leigos e leigas, “homens e mulheres do mundo no coração da Igreja e homens e mulheres da Igreja no coração do mundo” (cf.  P  786  e  DAp  209), “participantes  da realeza de Cristo, devem trabalhar pela promoção da pessoa humana e  para santificar as realidades temporais, testemunhando que Cristo Rei é Libertador e Salvador do homem todo e de todos os homens”(AA 2). Oferecemos, a seguir, dois encontros de reflexão  e propostas  de  acréscimos à  Celebração ( Missa  ou Celebração da Palavra ) na Solenidade de Cristo Rei, que é o Dia dos Cristãos Leigos e Leigas e que, neste ano, é também o encerramento do Ano da Fé.

(Fonte: Boletim CNLB)

Aniversário Josefa Segóvia

Maria Josefa Segovia Morón nasceu em Jaén, dia 10 de Outubro de 1891. Para comemorar seu aniversário, trazemos um texto escrito por Angeles Galino,  ex-diretora-geral da TI, no momento de sua morte em 29 de março de 1957. Serve como uma homenagem à primeira diretora-geral da Associação Teresiana, mulher pioneira que inovou na Igreja e na sociedade.

ANTE LA VERDAD Y LA VIDA
por Ángeles Galino

Doutorado sobre livro das Moradas

No dia 27 de setembro, Jocelaine Terezinha Pereira Severo defendeu tese de doutorado (PUC-Rio) sobre o Livro Castelo Interior (ou Moradas), de Santa Teresa de Ávila.  A tese “Desenvolvimento Humano e espiritual em Teresa de Ávila: Mística, Psicologia e Castelo Interior”  apresenta uma interface entre teologia e psicologia e teve como orientadora Lúcia Pedrosa-Pádua. Veja as fotos:

,